Duas perguntas para Lázaro Roberto

Lázaro Roberto, também conhecido como Lente Negra, é um fotógrafo de rua e arte educador baiano, militante do movimento negro. Sua inserção no universo da fotografia aconteceu em meados dos anos 1970 quando começou a registrar pessoas na periferia da cidade de Salvador, em situações que representavam as raízes e a cultura afrodescendente em sua atuação cotidiana. Na década de 1990, ao lado de Raimundo Monteiro e Aldemar Marquês, com o objetivo de fortalecer os fotógrafos e as fotografias de negros, fundou o Zumvi Arquivo…Continue a ler “Duas perguntas para Lázaro Roberto”

Singularidade plural

Humanae é o projeto da carioca Angélica Dass que consiste em um inventário cromático dos tons da pele humana. Formada em belas-artes pela UFRJ, Dass reside há pelo menos 12 anos em Madrid. Lá, casou-se com um físico espanhol que ela diz ser daqueles que, quando pega o primeiro raio de sol, fica da “cor do camarão”. A ideia do projeto veio quando ela, de pele negra – ou como ela mesmo define, “da cor de uma dessas barras de chocolate com pouca porcentagem de…Continue a ler “Singularidade plural”

Fabulação mítica íntima

As imagens criadas por Karen Miranda Rivadeneira povoam a paisagem deslumbrante dos Andes com a sua própria ancestralidade. O trânsito entre os Estados Unidos e o Equador e a capacidade de se servir do que apreende desses dois mundos são elementos chave naquilo que dá sentido ao trabalho da artista. Rivadeneira é filha de equatorianos mas nasceu nos Estados Unidos. De lá, aos três anos, mudou-se com os pais de volta ao Equador, onde passou boa parte da infância. Sua formação, contudo, foi na School…Continue a ler “Fabulação mítica íntima”

Um nome sem sobrenome

Entrelaçadas uma a outra como se fossem uma coisa só, Mariane, sua mãe e sua irmã encaram a câmera e a espectadora. A foto faz parte da série Maria, só Maria (2017-) na qual a fotógrafa de Embu-Guaçu, município localizado na região metropolitana de São Paulo, registra a casa de sua família em seu cotidiano. Maria, só Maria evoca um nome sem sobrenome, um nome sem alma ou com uma alma exclusivamente coletiva, em busca de ressignificação. Maria, que no Brasil já foi muito utilizado…Continue a ler “Um nome sem sobrenome”

Aperte um botão e eles fazem o resto

Eduardo Montelli (1989) é um dos convidados do 12 FestFoto. Artista visual, natural de Porto Alegre, é doutorando em Linguagens Visuais pela UFRJ e mestre em Poéticas Visuais pela UFRGS. Tive com ele uma conversa super agradável na qual falamos da sua relação com a fotografia digital, especialmente a que acontece em um ambiente doméstico, além de sobre a construção do indivíduo na contemporaneidade em sua relação com a memória e o seu entorno, temáticas fundamentais em sua prática artística. O resultado pode ser conferido…Continue a ler “Aperte um botão e eles fazem o resto”